A fábula do Porco-Espinho

mario_quintana_a_amizade_e_um_amor_que_nunca_morre_ll2lnqk

Durante a era glacial, muitos animais morriam por causa do frio.

Os porcos-espinhos, percebendo a situação, resolveram se juntar em grupos, assim se agasalhavam e se protegiam mutuamente, mas os espinhos de cada um feriam os companheiros mais próximos, justamente os que ofereciam mais calor.

Por isso decidiram se afastar uns dos outros e voltaram a morrer congelados, então precisavam fazer uma escolha: Ou desapareceriam da Terra ou aceitavam os espinhos dos companheiros.

Com sabedoria, decidiram voltar a ficar juntos.

Aprenderam assim a conviver com as pequenas feridas que a relação com uma pessoa muito próxima podia causar, já que o mais importante era o calor do outro.

E assim sobreviveram.

Moral da História

A melhor amizade não é aquela que une pessoas perfeitas, mas aquela onde cada um aprende a conviver com os defeitos do outro, e admirar suas qualidades.

Solidão

solidao

“Solidão não é a falta de gente para, conversar, passear, namorar ou fazer sexo……isto é carência.

Solidão não é o sentimento que experimentamos pela ausência de entes queridos que não podem mais voltar… isto é saudades.

Solidão não é o retiro voluntário que a gente se impõe às vezes para realinhar os pensamentos……isto é equilíbrio.

Tampouco é o claustro involuntário que o destino nos impõe compulsoriamente, para que revejamos a nossa vida… isto é um princípio da natureza.

Solidão não é o vazio de gente ao nosso lado … isto é circunstância. Solidão é muito mais que isto…

Solidão é quando nos perdemos de nós mesmos e procuramos em vão pela nossa alma.” [Chico Xavier]