Soneto da Separação

tormenta2

De repente do riso fez-se o pranto
Silencioso e branco como a bruma
E das bocas unidas fez-se a espuma
E das mãos espalmadas fez-se o espanto.

De repente da calma fez-se o vento
Que dos olhos desfez a última chama
E da paixão fez-se o pressentimento
E do momento imóvel fez-se o drama.

De repente, não mais que de repente
Fez-se de triste o que se fez amante
E de sozinho o que se fez contente.

Fez-se do amigo próximo o distante
Fez-se da vida uma aventura errante
De repente, não mais que de repente.

Poema em linha reta

gleise-1555348_960_720

Nunca conheci quem tivesse levado porrada.
Todos os meus conhecidos têm sido campeões em tudo.

E eu, tantas vezes reles, tantas vezes porco, tantas vezes vil,
Eu tantas vezes irrespondivelmente parasita,
Indesculpavelmente sujo.
Eu, que tantas vezes não tenho tido paciência para tomar banho,
Eu, que tantas vezes tenho sido ridículo, absurdo,
Que tenho enrolado os pés publicamente nos tapetes das etiquetas,
Que tenho sido grotesco, mesquinho, submisso e arrogante,
Que tenho sofrido enxovalhos e calado,
Que quando não tenho calado, tenho sido mais ridículo ainda;
Eu, que tenho sido cômico às criadas de hotel,
Eu, que tenho sentido o piscar de olhos dos moços de fretes,
Eu, que tenho feito vergonhas financeiras, pedido emprestado
[sem pagar,
Eu, que, quando a hora do soco surgiu, me tenho agachado
Para fora da possibilidade do soco;
Eu, que tenho sofrido a angústia das pequenas coisas ridículas,
Eu verifico que não tenho par nisto tudo neste mundo.

Toda a gente que eu conheço e que fala comigo
Nunca teve um ato ridículo, nunca sofreu enxovalho,
Nunca foi senão príncipe — todos eles príncipes — na vida…

Quem me dera ouvir de alguém a voz humana
Que confessasse não um pecado, mas uma infâmia;
Que contasse, não uma violência, mas uma cobardia!
Não, são todos o Ideal, se os oiço e me falam.
Quem há neste largo mundo que me confesse que uma vez foi vil?
Ó príncipes, meus irmãos,

Arre, estou farto de semideuses!
Onde é que há gente no mundo?

Então sou só eu que é vil e errôneo nesta terra?

Poderão as mulheres não os terem amado,
Podem ter sido traídos — mas ridículos nunca!
E eu, que tenho sido ridículo sem ter sido traído,
Como posso eu falar com os meus superiores sem titubear?
Eu, que venho sido vil, literalmente vil,
Vil no sentido mesquinho e infame da vileza.[Fernando Pessoa]

Schopenhauer

quem-nao-ama-solidao-nao-ama-liberdade-arthur-schopenhauer“Cada um só pode ser ele mesmo, inteiramente, apenas pelo tempo em que estiver sozinho. Quem, portanto, não ama a solidão, também não ama a liberdade: apenas quando se está só é que se está livre. A coerção é a companheira inseparável de toda a sociedade, que ainda exige sacrifícios tão mais difíceis quanto mais significativa for a própria individualidade. Dessa forma, cada um fugirá, suportará ou amará a solidão na proporção exata do valor da sua personalidade. Pois, na solidão, o indivíduo mesquinho sente toda a sua mesquinhez, o grande espírito, toda a sua grandeza; numa palavra: cada um sente o que é”.

Destinós

Descubra-4-destinos-romanticos-para-uma-viagem-de-lua-de-mel
Destino
 
Sempre me pareceu uma ideia um pouco fechada acreditar que ele seria preconcebido.
 
Muito melhor acreditar que ele é, de alguma forma, realizado por nós mesmos.
 

“O destino baralha as cartas, e nós jogamos” [Schopenhauer]

O nosso destino é feito pelas pequenas ações do cotidiano.

E esse destino a gente escolhe para o sempre

Devemos agir de modo que sejamos capazes de querer que a vida se repita – da mesma forma – um milhão de vezes.

E depois disso, dizer: ’”Era isto a vida?’ – direi à morte. ‘Pois bem: repita-se!’”.[Zaratustra]

 

“[341] – o peso mais pesado. E se um dia ou uma noite um demônio se esgueirasse em tua mais solitária solidão e te dissesse: “Esta vida, assim como tu vives agora e como a viveste, terás de vivê-la ainda uma vez e ainda inúmeras vezes: e não haverá nela nada de novo, cada dor e cada prazer e cada pensamento e suspiro e tudo o que há de indivisivelmente pequeno e de grande em tua vida há de te retornar, e tudo na mesma ordem e sequência – e do mesmo modo esta aranha e este luar entre as árvores, e do mesmo modo este instante e eu próprio. A eterna ampulheta da existência será sempre virada outra vez – e tu com ela, poeirinha da poeira!”. Não te lançarias ao chão e rangerias os dentes e amaldiçoarias o demônio que te falasses assim? Ou viveste alguma vez um instante descomunal, em que lhe responderías: “Tu és um deus e nunca ouvi nada mais divino!” Se esse pensamento adquirisse poder sobre ti, assim como tu és, ele te transformaria e talvez te triturasse: a pergunta diante de tudo e de cada coisa: “Quero isto ainda uma vez e inúmeras vezes?” pesaria como o mais pesado dos pesos sobre o teu agir! Ou, então, como terias de ficar de bem contigo e mesmo com a vida, para não desejar nada mais do que essa última, eterna confirmação e chancela?”[Nietzsche. Gaia Ciência]
 

Gosto de lembrar da história do homem destinado a ser contraditório. 😛

O cara que no maior estilo de “amor[?] à natureza” segura uma mangueira e rega, com ares de “não quero mais viver isso um milhão de vezes mais“, um pequeno gramado.

 
Tudo isto estaria “certo”, se ele não estivesse em pé, na própria grama.
 
Salvando[?] o mundo com a mão e destruindo-o com os pés.
 
É contraditório viver uma vida que não queremos repetir.
 
Enfim, e do nosso destino?
 
Eu tenho tentado “jogar” com as cartas que ele embaralhou e me deu…
“Os outros eu conheci por ocioso acaso. A ti vim encontrar porque era preciso.” [Caio F. Abreu]
Enfim, não sei muito bem qual será o nosso destino, porque ele depende de outras “cartas” que se encontram nas suas mãos.
Mas queria que [o quanto antes] o destino da equação eu e você pudesse ser [da mesma forma e um milhão de vezes] = Nós
Nós dois atados ao mesmo destino
Destinós